segunda-feira, 21 de maio de 2012

Uh Herrera!

Durante o primeiro tempo do jogo de ontem, insistíamos na clássica jogada de bola lançada para o Loco na área. Claramente esta estratégia não estava dando certo e já começava a ladaínha de que "o Botafogo se deixou abater pelas últimas derrotas", com o comentarista já decretando que a gente ia perder porque não tava jogando o jogo, a torcida não tava lá, etc. etc.

Como sob a batuta de Oswaldo, os platinos não jogam juntos, ele resolveu trocar uruguaio líder por argentino raçudo no intervalo. Por mais que o primeiro gol de Herrera tenha sido de cabeça (em jogada similar às que tentamos na primeira etapa), o espírito que o acompanhava era outro. Se Loco tá vivendo uma fase "fomos eliminados, vou pra casa abraçar meu filho" (no que ele está super certo, mas preferia a era dos cojones...), Herrera vive o "acredito até o fim, me jogo, xingo todo mundo, não levo desaforo pra casa e não to nem aí pro Fantástico".

E essa atitude acordou o grupo, juntou com um pouco de sorte (que belo desvio no gol do VJ!!) e talvez com a certeza do time adversário (a mesma dos comentaristas) de que o alvinegro não tava muito a fim de jogo... et voila! Uma bela vitória de 4x2 pra animar o torcedor para o campeonato que se inicia.
Acho até que o fato dele ter entrado no segundo tempo pode ter ajudado. A urgência e a pressão tem efeitos diferentes sobre as pessoas. Em alguns casos, é um grande motivador. Vimos 3 gols do hermano, mais um do Vítor Junior, que mostrou a que veio com jogadas de velocidade, uma bela defesa de Jefferson... uma outra partida, muito mais movimentada.

Se tem um jogador aqui que costumo criticar, mas que já se apresentou muito bem em alguns jogos, é o Marcio Azevedo. Ele não estava especialmente inspirado neste domingo, mas não fez feio com a camisa de Nilton Santos (pedir um gol seria demais!) e sinto que precisava dar uma aliviada no nosso lateral.

Pra finalizar, bato palmas mais uma vez pra atitude do Herrera de ignorar a brincadeirinha do Fantástico. Até vi na internet que o programa brincou com a resposta de maneira bem humorada e achei que mandaram bem. Mas essa palhaçada de concurso de dancinha, joão sorrisão, escolher música e por aí vai... já deu, né?

A vaidade (vaidagem?) de certos jogadores em aparecer nessas brincadeirinhas de péssimo gosto (o deles) atende aos interesses da emissora (atrair diferentes públicos, por exemplo) e serve ao modelo de "esporte engraçadinho" em que ela investe e tenta impôr. E Herrera mostrou que futebol é coisa séria. É uma postura semelhante à do Loco, de se levar a sério e não cair nas armadilhas dos repórteres e sacanagens dos programas. Que seja coisa de platino porque brasileiro gosta mesmo é de rir e aparecer. Mas eu fecho com eles em não servir de palhacinho da globo. É Botafogo, não é bagunça!

Nenhum comentário:

Postar um comentário