quarta-feira, 14 de março de 2012

Heleno - o filme

E assim chegamos ao nosso terceiro posto sobre filmes aqui no Clube (pelo menos é o meu terceiro...). Começamos com o excelente filme sobre Mario Filho, do cineasta Oscar Maron Filho, flamenguista gente boa que infelizmente perdemos no final do ano passado.
Seguimos com o concorrente ao Oscar O "Homem que mudou o jogo" (este sobre outro esporte, o baseball).

Seguimos agora com "Heleno", sobre o grande jogador alvinegro das décadas de 30 e 40. Quarto artilheiro de nossa historia, apesar de ser um verdadeiro crack (como se escrevia na época), ficou mais famoso por seu temperamento explosivo e sua personalidade marcante.

Com uma atuação marcante de Rodrigo Santoro e bela fotografia, o filme vai decepcionar aqueles que esperam um filme sobre futebol. Há pouquissímos lances do esporte e o foco é muito mais na vida pessoal do jogador. Vida essa que rende, sim, uma grande história. Uma história que merece um filme e até mais que um, na minha opinião, pois saímos do cinema envolvidos e querendo saber mais sobre personagem tão apaixonante.


Nesse caso não corremos o risco de spoiler, afinal, o tema é histórico e o destaque é a forma como a trajetória foi contada. Todos sabem que o fim do jogador foi triste, marcado pela doença e por nunca ter conseguido um título pelo seu clube querido, o nosso Glorioso. Em suas palavras numa das ótimas cenas de bastidores, Heleno afirma "Eu não sou jogador de futebol. Sou jogador do Botafogo". Em um tempo em que os jogadores saíam, bebiam e fumavam, ele talvez tenha sido o primeiro "bad boy", que afirmava não precisar treinar e encarava a todos de frente. Um homem de paixões inflamadas. Apesar da profissionalização dos atletas de hoje, muitas vezes vemos posturas frias e apáticas e sentimos falta do envolvimento maior de outras épocas.

Uma cena em particular me deixou (e sei que também tocou a Lívia) ávida por um filme sobre João Saldanha. Quem sabe não me arrisco? Afinal, eis aí outra bela vida que merece ser explorada na telona. Aliás, existe um documentário sobre ele, será que consigo encontrar? Foi exibido no Cinefoot do ano passado (se não me engano), porém não pude assistir.

Bem, como já disse, os realizadores decidiram por focar em alguns aspectos e senti falta de outros, porém, trata-se de um bom filme. Afinal de contas, não é todo mundo que gosta do esporte, mas quem não gosta de uma boa história? Vale a pena ver e se envolver nessa narrativa.

E para quem gosta de Botafogo, vale dar uma entrada no site do clube, com uma bela homenagem, e conferir informações sobre a exposição em homenagem ao Heleno, que rola durante o mês de março. Eu vou!

4 comentários:

  1. Pronto, meninas! tá liberado o tema

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do filme, mas fiquei intrigada: por que tanto "maluco" (no bom sentido) no seu time? Gente, vale uma tese a trilogia Heleno-Garrincha-Saldanha! =)

    ResponderExcluir
  3. E agora vou além: o gênio difícil do trio citado explica (e muito!) a identificação da minha mãe com o Botafogo, haha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, somos chegados a loucos. Principalmente quando são gênios. Vc sabe, aquela tênue linha...

      Excluir