terça-feira, 10 de maio de 2011

Copa América, aí vou eu!


Eu estava em dúvida se iria em algum jogo da Copa América. Como só estarei pelas terras portenhas na primeira semana de julho, não estava tão empolgada em passar um frio danado pra ver o Brasil jogar em La Plata (capital da província de Buenos Aires, fica a mais ou menos uma hora da cidade de Buenos Aires, destino favorito dos brasileiros atualmente). Aliás, os motivos dos jogos não serem na capital federal (aí sim, a cidade de Buenos Aires), merecem um post especial (só a final vai ser no Monumental, aquele mesmo do gol do Juninho).

Bom, o fato é que eu não estava muito animada. Uma vez conversando com um amigo argntino, que é louco por futebol e temos ótimas discussões, ele brincou dizendo que ou eu era muito esnobe, ou estava com medo. E aí desenvolvemos toda uma teoria de como na Argentina os torcedores gostam muito mais da seleção. Já cansei de escutar entre brasileiros -e sou uma que repete isso o tempo todo-, que torcer de verdade é pelo clube de coração, que a seleção não gera o mesmo sentimento. Pois é, pros hermanos é diferente. Fácil de entender, estamos falando de um país bem patriota (em muitos momentos nacionalista ao extremo), e a seleção pra eles é coisa muito, muito séria, e não só e grandes eventos internacionais. Eles comemoram até par ou ímpar.

Esse amigo tentou me convencer de várias maneiras de que eu tinha que ir aos jogos, de que é uma grande oportunidade. Já me fez prometer a casa pra ele no Rio pra Copa de 2014. Eu, na preguiça de enfrentar o frio pra ir até La Plata, disse que sozinha não me animava. Ele disse então que iria comigo, que prometia se comportar. Nisso a namorada dele rindo, e o meu namorado feliz, já que os dois se livravam do perrengue (pois é, meu namorado detesta futebol). Eu pensava em encontrar esse amigo na semana que vem. Por causa da minha pesquisa de doutorado, estou sempre pela Argentina, e quando posso a gente marca um chopp (ele mora a 3h de Buenos Aires). E dessa vez seria sábado que vem.

Só que, por essas coisas da vida, não vai ter mais nada: nem chopp, nem Copa América, nem Copa 2014. Juan nos deixou na 6a, em um acidente fatal de moto. Eu ainda não consigo acreditar, e entre momentos de profunda tristeza e muito choro, fico sem entender bem o que está acontecendo. Sei que precisava escrever isso, desabafar, contar um pouco do Juan. Tenho outro blog, mas não conseguia aceitar falar sobre ele em outro lugar. Juan é a cara do futebol argentino. Meu amigo de tantos papos, de Bombonera, não dava pra falar dele sem falar de... futebol.

E pensando nele ontem à noite, decidi: dia 03/07, estarei lá em La Plata, pra ver Brasil X Venezuela. No frio, no perrengue, mas feliz (com um amigo brasileiro que também se empolgou). Lembrando do Juan, da importância que a data tinha pra ele, e, de alguma maneira, compartilhando tudo isso com meu amigo. Quem se animar, é só falar!


Impossível falar do Juan e não falar do Boca... Bom, acho que a frase diz tudo.

Um comentário: