segunda-feira, 25 de abril de 2011

E vamos pra final!

É, gente. Era Páscoa e chovia pra diabos. O Fla vinha de um jogo safado contra um time que eu nem sabia que existia (confesso, desculpem) e o Flu vinha consagrado de um resultado milagroso na Libertadores (parabéns aí, hein?).

Clássico é aquela coisa que já falei aqui um bilhão de vezes, desafia a lógica. Você pode tentar dar seu palpite, fazer previsões, avaliar todas as evidências e probabilidades... E errar feio.

Estava em casa, no Rio, com meu irmão. Ele não liga tanto pra futebol, mas sentou comigo pra assistir à partida. Chamou primeiro um amigo que, apesar de flamenguista, estava certo de que perderíamos.

Vê se pode uma coisa dessas...

Aí um outro amigo, tricolor, liga pra ele e se toca que o jogo está rolando. O que faz meu irmão? Convida o menino pra assistir o jogo lá também. E ele leva a namorada.

Vocês lembram daquele comercial que a Hyundai fez pra Copa do mundo? Aquele em que eles tentavam convencer a galera a torcer falando "tcha tcha"? Então... Ontem eu descobri as duas únicas pessoas que embarcaram nessa onda. E continuam nela até hoje. ¬¬

Voltando ao jogo, há quem diga que o Fluminense engoliu o Flamengo. Ao menos no primeiro tempo. Honestamente, eu ainda não vejo o Fla como um time bem orquestrado, que sabe, de fato, o que está fazendo em campo. Pelo contrário, vejo um grupo que se dá muito bem e que, de vez em quando, tem lampejos de brilhantismo e tira jogadas geniais da cartola. E algumas jogadas oportunistas, providenciais.

A sorte cuida de nos manter invictos, obrigada, porque Luxemburgo... Vou te contar... É uma sombra do técnico que um dia foi.

Acho que o grande destaque do jogo foi mesmo a arbitragem, que fez o cacete pra prejudicar o Rubro-Negro. Apitou tudo errado e ainda validou o gol impedido (e muito) de Rafael Moura que abriu o placar.

Só que a vingança é um prato que se come frio e isso ficou claro quando o Fla empatou com um gol lindo (e limpo) de ninguém menos que Thiago Neves, pra tristeza de sua patroa.

Não vou comentar se Felipe deveria ter sido expulso ou não no começo do jogo, comecei a assistir depois do intervalo da queda de luz. Desvantagens de não se ter o controle remoto na mão, fazer o que...

E aí fomos aos pênaltis. ODEIO pênaltis. Odeio de verdade. Não curto nem um tiquinho aquela sensação nojenta que precede cada cobrança. Analisar a lista dos cobradores conforme os técnicos avisam quem são seus escolhidos. Olhar pra cara de cada um, pensar no quanto se desgastaram ao longo da partida, em quem tem o emocional mais fraco, quem é mais experiente, os mais cagões e os que simplesmente estão com cara de que vão perder. Porque tem isso, vocês sabem. Aquela aura meio amarela de quem vai errar feio em um momento impossivelmente decisivo.

Isso tudo sem contar o goleiro, que pode estar zicado, inspirado ou ser só genial. Porque tem goleiro que tem aproveitamento sensacional em defesa de penalidades.

Agora adicione a essas variáveis 2 adversários enchendo a bedelha dentro de casa. Hmmmmm... Coração na garganta, certo? Por aí. E com uma taquicardia daquelas gostosas, só pra dar emoção. Sem emoção não tem graça, né?

Ironia das ironias (ou a tal da vingança gelada), Thiago Neves errou o seu, Renato também. Nossa vaga na final foi garantida, mais uma vez, por Felipe, que parou Araujo e Tartá. Diego Maurício marcou o gol que levou à nossa comemoração.

O jogo não foi incrível, mas foi emocionante.

Agora vamos decidir com o Vasco se repetimos o feito do Botafogo ano passado ou se dobramos o clássico contra o Gigante da Colina.

E, durante a semana, tropeçamos novamente com o Horizonte.

Ai, coração... Aguenta. Aguenta, que o ano só está começando. ;)

4 comentários:

  1. Adorei o texto!! Confesso que gargalhei imaginando a torcida "tcha tcha". Até pq sou muito chata quando assisto jogo pela tv. Mas tenho que confessar: AMO pênaltis, menos contra o Fla, claro. Contudo, adoro olhar a cara de quem vai bater e pensar "ih, vai perder", "ih, vai mandar a bola longe", "ih, vai fazer com certeza" etc. Fora de onde batem. Se vão lá fora da área, se dão meia dúzia de passos lentos(odeio esses), se dão aquela corridinha (odeio esses ainda mais), etc. Sempre acho q acertar a trave é mais difícil do que fazer. Enfim, vários destalhes. Ah, falam da possível expulsão do Felipe (q nem os comentaristas entraram num acordo sobre o tema) mas esquecem q o Fred já tinha um amarelo e fez uma falta feia. Era para ter levado o vermelho tb. Agora é atropelar o Horizonte e o Vasco. (PS> Luxatá horrível, mas tá se revelando um técnico do segundo tempo. rsrsrs)

    ResponderExcluir
  2. Fe, vc não deveria detestar decisão por penalties, seu time costuma ganhar nessa situação!

    Achei o jogo fraco, mas como toda decisão foi emocionante.

    Vc acha que os times "forçarão" uma final pra garantir renda???

    ResponderExcluir
  3. Não importa se meu time costuma ganhar, eu sempre fico nervosa. hahaha...

    Gente, nem tinha parado pra pensar nessa possibilidade. Mas como "forçar" uma final envolveria perder pro Vasco, acho que o Fla não faria intencionalmente... Õ.o

    Será? =s

    ResponderExcluir
  4. Ai, Nanda, prefiro acreditar no nosso brio e nem cogitar uma besteira dessas de perder intencionalmente para forçar novos jogos. Eu não assisti todo o jogo, estava tentando terminar um trabalho e só corria para a frente da tv a cada elevação de voz do meu pai e da minha irmã na sala. Foi tenso mesmo assim. E não tem nada mais desesperador do que teu time na disputa de pênaltis. O importante é que vencemos, estamos invictos e espero que assim continuemos. Amém!

    ResponderExcluir