quinta-feira, 24 de março de 2011

São MUITAS emoções!

Vou tentar escrever um post ponderado, em meio a tantas emoções que este time me proprorciona.

É claro que este gol do Deco (salvador do segundo tempo) me empolgou e me tirou a racionalidade. Durante o jogo, pensei em diversos diferentes tons que este post tomaria. Por (não) incrível que pareça, já imaginava um tom dramático, mas com um desfecho feliz para nós. Né nada, né nada, estamos sem técnico, correto?! Errado! Enderson conseguiu em um jogo o que Muricy não conseguiu em 3: GANHAR!

O jogo não teve muita técnica, mas o que faltou em técnica, sobrou em vontade, para ambos os times. Os caras não vieram a fim de fazer retranca, até fizeram um pouco de cera, mas nada de absurdo. Marcaram em cima, o tempo todo, e deram foi muito trabalho pra nossa defesa precária.

Precária porque o Digão me passou a impressão de ter recebido uma mala preta pra sabotar o Fluminense. Logo em sua primeira na partida, atrapalhou o goleiro, coisa que voltou a fazer e acabou no primeiro gol deles. Gum, faltou calma pra ele, porque ele entrou com muita vontade de ganhar, tanto que até gol fez! E como se não bastasse estarmos sem o lateral direito titular (Julio Cesar atrapalhou em muitos lances), ainda perdemos o Mariano, que ainda não sei o que aconteceu com o joelho dele... mas até que a infeliz saída dele acabou vindo a calhar, já que em seu lugar entrou quem? Somente o nome do jogo: Deco!

Do meio pra frente, tivemos poucos problemas, e poucas faltas. Até o Valência (que eu costumo reclamar e muito) jogou razoavelmente bem. Entramos com o nosso ataque titular, mesmo que ainda meio fora de forma, a qualidade de Fred e Emerson é indiscutível! Souza mostrou que obviamente não pode ficar no banco enquanto Marquinhos é titular. Fala sério, Muricy!

Mas a entrada do Deco, ahhhhh o Deco (eu S2 Deco)... Como a frieza e a inteligência de um jogador faz diferença, né? O time estava muito nervoso, por mais que estivesse pressionando no momento em que o Deco entrou em campo. Quando tomamos o segundo gol, aí que descassetou tudo mesmo. Até o técnico ousou (corretamente) tirando o lateral Julio Cesar e colocando o Araújo. Mas o Deco manteve a serenidade em campo. E o time seguiu lutando, até que o tão pedido Araújo marcou o seu, após belo lançamento do - adivinha quem? DECO - empatando o jogo.


Aí foi pura raça, sangue e suor! Como se não bastasse o cara ter dado o passe pro gol de empate, ainda coroou sua entrada com um gol sofrido de virada! Gritei tanto, tanto, que acordei todos os cachorros da rua! Ainda bem que tem muito tricolor onde eu moro...

Gente, o que foi esse trio de arbitragem? Sério, cara. Tô até agora sem entender! Aliás, tô até agora tentando entender o segundo gol dos caras... aliás, quantos gols estranhos nessa noite...

Essa vitória histórica era justamente o gás que precisávamos para deslanchar neste ano que se iniciou tão fatídico.

A nossa tabela ficou super embolada. Nada está decidido. E já está mais do que sabido que a matemática e o Fluminense não combinam...

O Campeão voltou!

4 comentários:

  1. só por desencargo de minha consciência: Berna ficou no "elas por elas". Errou no lance que deu origem ao primeiro gol (com a ajuda do Digão), mas fez uma defesASSA no finalzinho do primeiro tempo.

    ResponderExcluir
  2. Sabia que viria aqui e encontraria palavras emocionadas, mas não uma descrição tal qual eu percebi o jogo!
    Eu também poderia falar do (grande) DECO ou reclamar do Berna (com sua saída ridícula) ou até do Digão (prefiro n comentar)... Mas não, vou aproveitar meu comentário para homenagear, logo abaixo, quem mais merece essa vitória: O verdadeiro rato que havia nas Laranjeiras.

    bjs, Lulus... ST!!!

    "Ihhhhhhh, nosso CT ta vindo aí. O Muricy vai se calar! Casa de rato é em São Paulo. Eu tenho vista para o mar."

    ResponderExcluir
  3. hahahahahahahahahahahaha eu já ouvi cada musiquinha! esses torcedores são muito criativos mesmo!

    ST, meu amigo! Como disse no TT (deu sorte antes, há de dar sorte novamente):

    VAMO QUE VAMO!

    ResponderExcluir
  4. Nada, além do Sobrenatural de Almeida, empurrou o pé de Deco para a marcação do tento vitorioso. Merecido, diga-se de passagem.

    Saudações!!!

    ResponderExcluir