segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

1970 - 1984 - 2010

Me perdoem a demora pelo post, mas, além de não ter tido tempo de escrever com "calma" (qual tricolor está calmo agora?), queria um tempinho para tentar conter as emoções e escrever um texto com um mínimo de sentido. E ainda sim não foi suficiente...

Foi sofrido, foi doloroso, foi emocionante, foi bom pra caralho soltar o grito entalado na garganta de todos os torcedores!

Vou tentar descrever toda a trajetória para o estádio, ilustrada pelas fotos tiradas por mim.

Primeiro, fui para o trem - sozinha, ok - não queria ir de outro transporte, queria já sentir o clima da decisão desde a ida. O trem era todo tricolor, duvido que aquele trem horroroso já tenha ficado tão lindo como estava ontem. Me lembrou muito as minhas idas de metrô ao Maracanã (lágrima escorre).

A saída do trem já estava caótica, por pura falta de estrutura mesmo (só uma escada rolante parada de cada lado). Mas e quem ligava pra isso?

Cheguei, ainda confusa e extremamente ansiosa, me encaminhei para a minha entrada (leste superior), e já fui encontrando os amigos pelo caminho, todos com os nervos à flor da pele! Leve confusão nas catracas (porque algumas estavam quebradas - solução: algum malandrinho estava retendo os ingressos intactos e liberando os torcedores; será que ele vendeu depois?!? Eu que não ia entregar o meu ingresso do Tri pra ele, sem poder guardar!)

Subi a rampa, encontrei meus amigos/companheiros de jogo (alguns deles) e com eles fiquei. Encontramos um lugar e ficamos lá, sentadinhos, roendo as unhas. Ainda faltava uma hora para o jogo começar.

O time entra, mais um mosaico lindo da nossa torcida (parabéns e obrigada aos amigos tricolores que chegaram de manhã no Engenhão para montar o mosaico, vocês são sensacionais!). No mosaico estava escrito: Juntos Pelo Tri - 70 - 84 - ...

O jogo começa. Não dá pra expressar em palavras o nervosismo, a ansiedade, com certeza para quem viu o jogo pela TV, deve ter ouvido um silêncio ensurdecedor, pois ninguém conseguia cantar por mais de 2 minutos. Eu não conseguia, estava muito ocupada roendo minhas unhas e tapando os olhos a cada chegada ou escanteio do Guarani.

Vou poupar os detalhes das jogadas para não me estender muito. Mas era nítido que o time estava extremamente nervoso (assim como os outros dois que também tinham chance de levar o título). Gum, você merece um destaque, muito raçudo, especialmente em partidas decisivas. Não é a toa que o alcunha "Time de Guerreiros" veio especialmente depois que você jogou com a cabeça enfaixada, no jogo da Sulamericana, no ano passado (contra o Cerro Porteño, se não me engano).

E eis que surge o gol, o gol do título, que momento, quantos sentimentos misturados. Antes eu não acreditava quando as pessoas falavam que passava um filme pela sua cabeça em momentos muito fortes. Pois é, foi exatamente isso. Flashes bombarearam a minha mente imediatamente após o gol, fazendo um filme, com momentos felizes e outros muito tristes. Mas o final desse capítulo haveria de ser feliz. A gente merecia isso. Nada menos do que isso.

E nesse momento já me perguntava quanto tempo de jogo faltava, mas ainda faltava muito, o tempo nesse momento demorava horrores! Ao mesmo tempo, eram apenas 30 minutos em 26 anos. Quase nada, né? Sei....

Guarani nada de desistir, era muito dinheiro rolando "em jogo". Não os culpo, de verdade. Jogaram e correram tudo que puderam, mas não há mala branca no mundo que anule as limitações de um time já rebaixado, ainda por cima misto!

Simon apita o final do jogo. Já tinha chorado tanto no gol, e chorei mais de um misto de coisas mesmo. Não chorei quando apitou porque a alegria era enorme! Imensurável e indescritível!



Um parágrafo especial ao Conca, ele dispensa elogios, dispensa comentários, não só por todos já saberem, mas também por toda sua humildade, que o impede de aceitar toda a exaltação feita a ele. Ao pequeno grande argentino, craque do Brasileiro, craque do mundo, craque da história do Fluminense, muito obrigada, só por ser como você é, e por jogar tudo isso que você joga. Não conheço as estatísticas a respeito disso, mas pra mim não existe jogador de linha melhor, que tenha atuado em todas as partidas, sem ser suspenso, e sim, lesionado, jogando com dor. Conca, você é foda! Foda! Foda! Espero que a nossa diretoria faça de tudo para que você continue no grupo por muitos e muitos e muitos anos. OOOOOOOO CONCA PRA SEMPRE

A chuva veio para lavar o Rio de Janeiro, para lavar a alma tricolor, pra marcar o recomeço.

Nossa alma está lavada!

Conquistamos o Engenhão. É nosso agora, por "Uso Campeão". João Havelange agradece!

Poderia escrever por mais horas e horas e horas, e ainda sim não seria suficiente....

Saudações TRIcolores

Não me importa o que digam, meu time é tri, pois coração de torcedor tem sempre razão.

5 comentários:

  1. Hahaha, Marcela! Muito bom, muito lindo! Parabéns! Agora fazemos parte de um mesmo grupo. Te dou o tri, mas deixem meu hexa. Pode ser? Tranquilo? Pode fechar a porta pro Sport? ;)

    Parabéns, tricolete!

    ResponderExcluir
  2. Adorei e acompanhei sua "epopeia". Loucura a coisa do trem, hein... Loucura justificada! No resto concordo com você em tudo! Ficamos em lados opostos (fiquei na OESTE SUPERIOR), mas pelo que eu entendi gritamos, choramos e ficamos igualmente roucos!
    Em 1970 eu não era nascido, mas escuto muitas histórias. Em 1984, foi incrível, mas apesar de ter ido ao Maraca por todo aquele campeonato levado por um tio tricolor fanático, eu era um pirralho de apenas 8 anos e não entendia muito bem. Mas agora, "coroa" e "cascudo" me parece ter surgido no momento certo da vida esse título.
    26 anos resumidos em 38 rodadas do melhor e mais equilinrado campeonato do mundo nos últimos tempos. E nós ganhamos!

    Parabéns, Marcela! Parabéns, Muricy! Parabéns, "papai" Celso Barros!

    Sem vocês não teria sido tão sensacional!

    ST!

    TRIIIIIIIIIIIIIIIIIICAMPEÃO!!!

    ResponderExcluir
  3. hahahahahahahaha valeu Nanda, combinadíssimo!

    Rodrigo, sem quere desmerecer os torcedores dos outros times que torceram por esse título (tá, Luluzinhas?!), mas só nós sabemos o sofrimento que passamos, as humilhações, o quase fim do nosso futebol. A gente chegou ao fundo do poço. Poucos teriam a força que tivemos para nos reerguermos.

    Obrigada pelos elogios!

    Parabéns, Tricampeão!

    ResponderExcluir
  4. Cela, sem dúvida q é diferente vc torcer por um título justo e torcer pelo seu time, né?? Eu mesma, qdo vi a torcida chorando, o Flu campeão, eu fiquei muito feliz, mas não chorei junto. É óbvio, não é o meu coração, o meu envolvimento pessoal. Mas lembrei do ano passado. Lembrei de quando foi o meu time e eu chorei aqui no mesmo sofá e isso me emocionou. Imaginei q era assim que vocês se sentiriam naquele momento e aquilo foi bom. Porque foi muito merecido, exatamente pela história recente, pela luta de vocês pra voltar das trevas do futebol, pelo Conca e pelo Muricy, que eu acho que representaram essa força de vontade e comprometimento. ;)

    ResponderExcluir
  5. Marcela,
    Você tem veia de jornalista, registrando e redigindo sobre o que registra de forma tão natural mas detalhista, como deve ser. Bom, deixando a rasgação de lado, congratulo-me com você por esse título suado, sofrido, desejado e muito merecido.
    Beijos TRIcolores,
    Martha

    ResponderExcluir