terça-feira, 9 de novembro de 2010

Tijolinho de ouro

O nome pode ter mudado, mas a campanha de convocação da torcida do Flamengo pra ajudar na construção de um CT decente no Ninho do Urubu continua. Parece que agora ele sai do papel como "Rubro-Negro para sempre".

Romântico, mas igualmente excludente. Aliás, como muita coisa no clube, né?

Essa questão começou a me incomodar quando houve o protesto contra a saída do Zico e o Marcelo sabiamente colocou que não adiantava protestar, o que importava era ser sócio e votar pra mudar a estrutura do clube.

Concordo. Mas como faz se o pacote mais simples fica em torno de R$ 150,00? E um título, mesmo com desconto de pagamento à vista, custa mais de R$ 6.000,00? É isso mesmo, você não está bêbado, com sono, não adianta esfregar os olhos ou coçar a cabeça, tentando entender a inconsistência dos fatos.

O clube cuja torcida é conhecida carinhosamente pelos adversários como mulambada, favelada, pobrada e por aí vai, precisaria desembolsar cento e cinquenta pilas pra ter um planinho safado e sei mil e mais uns tantos pra ser sócio-proprietário do Mais Querido.

Nem o São Paulo tem planos tão "em conta" assim.

O tijolinho que nossa presidenta fala como se fosse quase um filhote de labrador que acabou de nascer, de tão fofo e importante, custa R$ 250,00. Agora faz as contas e me fala quantas coisas você poderia comprar com isso. Eu não posso deixar minha contribuição, sei que muitos outros nessa imensa Nação também não podem.

Nós amamos menos o clube por iso? Ou eles é que não sabem trabalhar seu público-alvo?

Incompetência não é, não dá pra ser tonto a ponto de acreditar nisso, então só pode ser outra coisa, né? Porque imagina só se fizessem um plano tipo o do Inter, em que você dá lá R$ 22,00 mensais e vira sócio-torcedor, com direito a voto e tudo? 100 mil associados é pinto perto do que o Flamengo conseguiria arrebanhar se fizesse um projeto pensando na sua torcida real.

Só que vender títulos e tijolinhos nos preços que o Flamengo projetou é a mesma coisa que vender desodorante popular e refresco aguado como se fosse perfume francês. Gênios, eles querem ganhar na margem, em vez de ganhar no volume. Conta burra? Não, bem malandra.

Voltem lá pro comecinho do texto e vejam o comentário que deu o pontapé inicial na minha indignação. Permitir que a nossa torcida tenha poder de voto seria o fim da farofa que se instaurou no clube. Outras pessoas, inclusive, poderiam se candidatar aos cargos e aí sim nós poderíamos ver mudanças na administração, que catástrofe!

Os valores aqui têm como objetivo puro e simples serem excludentes, deixar bem longe da Gávea a vontade real da torcida imensa de que tanto temos orgulho. Quem não pode pagar o ingresso, não pode fazer parte do show.

E quem não vota tem de sofrer as consequências das más escolhas (ok, diante de péssimas opções) daqueles que podem exercer o direito.

Uma ditadura disfarçada de democracia.

16 comentários:

  1. Acho que tinha que ter uma gama de opções... de sócio-torcedor a sócio-proprietário... todos sendo sócios com direito a voto... ai sim seria justo...

    Não precisa liberar as dependências do clube nem dar outros direitos a todos, mas acho que a possibilidade de votar deveria ser de fácil "acesso" a todos....

    Hoje mesmo li algo sobre o que seria o comunismo que funcionaria. Todos tem o mesmo direito mínimo, participam da "comunidade" mesmo que se tenha "circulos" fechados a certas pessoas...

    Se o flamengo põe 1 milhão de pessoas pagando mensalidades de 10 reais, só pra ter o direito de votar, são 10 Milhões todo mês, que provavelmente deve pagar o custo do clube todo e ainda sobrar um pouco... E isso são só 2.5% dos torcedores...

    Anota ai:

    - Sócio-participante (direto a voto): R$ 10,00 / R$ 15,00
    - Sócio-torcedor (+ descontos e prioridade em ingressos): R$ 30,00
    - Sócio-patrimonial (+ uso das dependências): R$ 80,00 (pode variar de acordo com o que ele queira frequentar)
    - Sócio-proprietário (+ direito sobre o patrimônio e votações internas) R$ 200,00 (+ o valor do título)

    Algo assim.... Quer participar mais, paga mais... ;)

    ResponderExcluir
  2. Matheus, vc entendeu bem o espírito da coisa. Só na estimativa do Tijolinho, eles estão contando com 5 milhões, o q eles já declararam que não seria suficiente pra dar conta do projeto do CT.

    Isso cobrando 250 reales por cada um.

    Na conta q vc fez, com cada um dando derreal, eles arrecadariam o dobro, só mensal.

    Quer dizer, é má vontade, certo?

    P.S.: O título do Corinthians e o do Vasco não custam nem R$ 1.000,00. É pretensão no talo achar que o do Flamengo vale 6 a 8 vezes mais. E olha que eu sou flamenguista. Outra coisa, tô me lixando pras dependências do clube. Não curto piscina lotada mesmo... =P

    ResponderExcluir
  3. Fê, concordo com muita coisa. COm essa estrutura, as decisões ficam confortavelmente nas mãos de poucos, maaaaaaaaas
    1 - ter a "galera" toda votando seria mais democrático, mas não necessariamente resolveria o problema, veja nossas eleições hehehe
    2 - tem uita gente que tem, sim, condições de ser sócio e não é. Preferem ficar só reclamando e não tomar a atitude que poderia realmente fazer diferença.

    Essa dificuldade pelos valores e até mesmo no entendimento dos planos não é exclusividade do seu time... acontece muito por aí e é fruto da nossa cultura de cartolagem sempre impune com as merdas que fazem nos nossos clubes dos coração.

    ResponderExcluir
  4. Ok que a discussão sobre associação seja mais complicada do que isso, mas a campanha do tijolinho precisa mesmo parecer esses jantares de gala em que você paga mil reais pra comer salada, só porque é por uma boa causa? Não, né? Acho absurdo fazer um projeto chamado Rubro-Negro para sempre com poucos lotes tão caros. Sou contra excluir a massa nesse caso. Mas, sinceramente, eu acho que estamos mais aptos a eleger a administração do Flamengo do que os políticos que vão governar o Brasil. Não vou entrar nos méritos, mas acho.

    ResponderExcluir
  5. Fabio Affonso Lopes de Almeida9 de novembro de 2010 18:33

    Me metendo no time dos outros.
    Na década de 20 do ano passado, irritado com o bi-campeonato carioca do Vasco da Gama, com o seu time de negros e operários, Fla, Flu, America e Botafogo fizeram uma associação e deixaram o time do suburbio de fora. A condição para ele voltar seria ter um Estádio próprio.
    Sem nenhuma ajuda de dinheiro público (o único do Rio) e com as mãos dos mesmos operários e negros, além de uma grande campanha entre os comerciantes portugueses, e junto com a contribuição do que se podia dar das comunidades socialmente menos avantajadas da cidade, levantou-se uma joia e o maior estadio da Amérida do Sul até 1940, quanto foi erguido o Pacaembu.
    Acho que a paixão para um clube é relativa. O meu felizmente não sofre com problemas no Patrimônio. Mas eu ja fiz muito mais pelo meu do que dar 250 reais, sem desembolsar dinheiro nenhum.
    Não acho que a torcida tenha que pagar o pato pela má administração. Acho válida a reclamação dos 250 reais. Mas que uma contribuição mensal, por menor que seja, ja ajudaria muito. A torcida, em ingressos ao longo de um ano gasta muito mais que isso. Só a compra de uma camisa é quase esse valor. Ou seja, dinheiro o torcedor sabe dar. A Diretoria é que não sabe dar o destino certo.

    ResponderExcluir
  6. O CT não vai sair do papel. Simples assim, pois Dona Patrícia~não será reeleita. O próximo que entrar, seja quem for, vai modificar isso, aquilo e aquilo outro tb.
    Sabe como se resolve isso? Mas de maneira ralista mesmo? Por parte da torcida - escrevi torcida, não ladrões fantasiados - não comparecendo aos jogos. Por parte dos sócios, modificando o estatuto. Demora? Evidente que sim mas tem jeito. Quem sabe nossos bisnetos não contarão esta história?

    Saudaçoes!!!

    ResponderExcluir
  7. Não exagera, Luiz! A gente não pode boicotar o time por causa dos projetos pseudoidealistas dos pseudorepresentantes dos nossos interesses na administração, certo?

    Acho que precisamos reivindicar projetos tipo o do sócio-torcedor do Inter, O Vasco é meu etc. Só que acho que eles devem ter brotoeja só de imaginar 35 milhões de torcedores com poder de voto. Já pensou? Haja maizena pra jogar nas bolinhas...

    ResponderExcluir
  8. Fabio Affonso Lopes de Almeida10 de novembro de 2010 11:07

    Fernanda. Não queira o projeto do Vasco não. Aquilo é só pra inglês ver, a imprensa aplaudir o Roberto e mais uma vez fazerem o torcedor do Vasco de idiota. O cara paga a primeira e depois fica todo mundo inadimplente. Não da em nada, nunca ajeitou nenhum clube carioca e ao longo do tempo, o programa some.
    Em tempo: há uma discussão que precisa ser levantada. Não pode se esquecer que os Clubes de Futebol, entre eles o Flamengo, são entidades privadas. Apesar do carater de pertencer ao Povo, são entidades privadas, com um corpo de sócios que pagam para usufruir de um serviço oferecido, como a piscina, o Bar e outras coisas. Não cabe falar em 35 milhões de votos pq nenhum clube comporta isso, não querem e não precisam. Alias, gente de fora, como nós, falamos deles pq somos torcedores, e eles nos veem assim. Pode parecer absurdo, mas não apitamos em nada. Achar que apitamos é uma ilusão. Não são Países, são clubes.
    O Eurico tinha esse conceito nas épocas áureas do Vasco na década de 90 e deu muito certo. A briga que ele tinha com a imprensa era essa. O clube tem o direito de não querer que ela entre em determinado dia, simplesmente pq ali funciona uam entidade privada. É a mesma coisa que algum artista deixar a imprensa entrar na casa dele todo dia para fazer matérias. Quem quiser ajudar, se associa, paga o que for, vota, se mete, frequenta. Quer saber o que aconteceu no treino, vai no treino. Compre a camisa oficial, paga os jogos e etc.

    ResponderExcluir
  9. Fabio, discordo. Acho que o projeto do Vasco é sim válido. O torcedor é parte do clube, e como você mesmo disse, estes passaram a ser "entidades privadas" recentemente (como tudo no mundo parece ter que ser a partir da década de 90). O Vasco tem uma belíssima história de time do povo para o povo, com os portugueses dando seu suor para manter o clube, alimentar os jogadores. O que Eurico fez foi acabar com nosso passado, nossa tradição, nossa identidade.

    Nem tudo na vida é dinheiro e lucro, felizmente. E nem tudo no futebol deve ser dinheiro e lucro também. Clubes empresas pra que? Pra sermos vendidos como simples mercadorias, como vemos na Europa? Eu dispenso. Acredito e defendo o papel do torcedor, a participação de todos, não só dos que tem $ para cotas absurdas. Da mesma forma que sou contra ingressos surreais para os jogos, que impede o torcedor de classes mais baixas de participar da festa. Quer que todos comprem camisas originais? Faça como na Argentina, que você tem os modelos de "segunda", pela metade do preço. Exigir que todos possam gastar 150 reais em uma camisa é excludente.

    Aliás, essa visão do futebol como empresa é excludente, injusta e fere toda a memória do esporte no país.

    E mais: Eurico não fazia pelo Vasco. Fazia por ele, porque achava que o clube er SEU, e não nosso. Dinamite pode não ser perfeito, mas pelo menos nisso ele tem meu apoio: o Vasco é meu, é seu, é dele, é da torcida. Não é de um cartola corrupto que acha que manda por seu poder, arrogância e conta bancária.

    Nanda, tô com você: os clubes tem que ser mais democráticos e integrar todos seus torcedores!

    ResponderExcluir
  10. Livia, eu acho que ele quis dizer é que, no quesito arrecadação de verba, esse projeto do Vasco não foi eficaz, pois as pessoas (a maioria) se tornaram inadimplentes logo após o segundo mês. Claro que tem outros fatores, como a expansão da identidade do clube, mas acho que ele só falou do aspecto financeiro.

    ResponderExcluir
  11. Esse menino (Fábio) acaba de se tornar meu mais novo ídolo! Muito pertinente!

    ResponderExcluir
  12. (O posto esquizofrênico só entrou agora, ficou totalmente sem sentido!) hahahahahahahaha

    ResponderExcluir
  13. Marcela, mas o ,modelo anterior (ou o que o Flamengo tenta agora), também não funcionam... e aí, como ficamos?

    Não existe um modelo perfeito, isso fica claro. Mas acho que o atual é menos pior, já que ele pelo menos não é excludente.

    PS: Claro que Fabio vai virar ídolo, vascaíno sempre deixa sua marca! :) Até discordando temos nosso estilo, haha!

    ResponderExcluir
  14. gente, não vejo ninguém satisfeito com as opções de plano de seu próprio clube. Sempre haverá críticos e defensores. O legal é justamente o q fazemos aqui, discutir. Assim aprofundamos e podemos até pensar em novas sugestões, né?

    O sócio torcedor pode até funcionar pra dar um $$ a mais pro clube, mas no Bota por exemplo, só o sócio PROPRIETÁRIO pode votar. Quem não tem grana ou vontade fica de fora da decisão mais importante... conveniente para muitos, duvido que alguém mude isso, também pelo que o Fabio falou.

    ResponderExcluir
  15. Gente, no primeiro comentário, o do Matheus, ele já falou da questão de vantagens dos sócios. Quem compra um pacote barato não vai ter direito de usar as dependências do clube, é óbvio. Mas ele pode ter desconto se um dia quiser, aí ele paga a mais pra usufruir de algo além do seu direito de torcer e dar pitaco. Mesmo que custasse 30 reais, não ia ter 100% de adesão. A galera pode comprar as camisas, mas camisa é uma vez, não é contribuição permanente. Nem todo mundo pode assumir um compromisso financeiro que não tenha vantagem direta no bem estar de sua família. Futebol é amor, é paixão, é circo, mas não é literalmente pão. A gente não pode comer futebol, não pode se esquentar com futebol, não pode apresentar a carteirinha de sócio pra ser atendido em hospital particular. Então, seria só uma proposta pra estender a responsabilidade a mais pessoas. No fim das contas, a gente tem muito pouca gente podendo se candidatar e votar, por isso o Flamengo fica sendo essa roleta russa, só que com o tambor todo cheio de balas. Quem vc elege é um tiro na cabeça, nem é no pé. Eles administram mal e a gente fica aqui se irritando com seus sorrisos amarelos a cada projetinho que lançam, todos cheios de "ai, nós queremos que o torcedor participe". Aham, senta lá, Patricia. Quer que o torcedor pariticipe? Então para de vender 23 mil tijolinhos a 250 reais e vende tantos tijolos quantos forem necessários a 50 reais, por exemplo. Vende porca a 10 reais. Vende cimento. Vende cota de cimento, de tinta, de qualquer coisa que vá ajudar a construir o CT. Sabe pq não faz? Pq fica mais poético dizer que é tijolinho, olha que fofo, tem o nomezinho de todo mundo, só o Zico comprou 20, pra deixar a família toda junta. Amigo, acho lindo, mas fica parecendo coisa de cemitério, você comprar uma cova pra família toda. Desculpa, mas eu dispenso a poesia pra ganhar mais dinheiro e consertar a bosta que o time está. Só sabem gastar, não sabem capitalizar. Aí, a cada parceria que conseguem, fazem uma festa. Só pq festa faz a gente esquecer as porcarias, porque torcedor é tipo passarinho, ou bebê, quando vê algo brilhante sendo chacoalhado na frente, né?

    ResponderExcluir
  16. Fabio Affonso Lopes de Almeida17 de novembro de 2010 00:36

    Obrigado Marcela :)
    Espero poder contribuir mais e parabéns pelo blog de vocês.
    Só quero registrar que aguardo ansiosamente a volta do Eurico Miranda para o meio de 2011 pois não aguento mais sofrer com a corja que entrou no Vasco. A volta dele ou de qualquer outro que seja vascaino de verdade.

    ResponderExcluir