terça-feira, 16 de novembro de 2010

Mala transparente


Final de campeonato é assim: mala branca pra lá, entrega pra cá. Um saco!

Aí eu fico me perguntando se de repente não fizessem abertamente, se não seria mais ético e mais transparente. Um pequeno estímulo pro jogador ferrado lá dos cafundó do Juda "ganhar" ou participar do título de algum clube.

Ele não vai fazer nada além de jogar a sua vida. Tá errado isso?

O Campeonato Brasileiro é um campeonato onde fatalmente os clubes que disputam qualquer coisa dependem dos outros resultados.

Na verdade eu nem sei qual é a minha opinião a respeito do apretecho branco de viagem, mas se é uma coisa que existe e todos sabem mas ninguém assume, e se nunca vai deixar de existir, por que não simplesmente divulgar logo a quantia e quem iria receber caso faça o proposto por quem oferece o incentivo? A discussão deve existir, isso que eu estou aguçando aqui. Sem opinião formada.

É óbvio que aí entra em cheque o mérito do clube que se beneficiou com a mala.

Mas, gente, sempre fica mesmo, não é?

Melhor do que ficar com fama de que comprou o juíz....

De repente, assim, se escrachar logo a p... toda, os cabeças da CBF serão obrigados a rever a fórmula dos pontos corridos. Será que dá certo mesmo?

29 comentários:

  1. ah, então foi assim que a unimed, digo, o fluminense se manteve tanto tempo a liderança, né?!
    Alias, o Fluminense é um clube patrocinado por um plano de saúde ou uma vitrine a serviço do plano?
    Fluminense, o único com departamento médico conveniado!

    ResponderExcluir
  2. Porra, se fosse assim, nós teríamos ganhado todos os títulos que disputamos desde que a Unimed nos patrocina!

    ResponderExcluir
  3. E que fique claro (eu acho que tentei esclarecer isso), que só estou fomentando a discussão, não estou dizendo que concordo ou discordo.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente essa é uma realidade mundial do futebol.

    As chamadas, mala preta e mala branca, já fazem parte da cultura do esporte e apesar de existirem algumas diferenças entre elas o objetivo é o mesmo: DOPPING FINANCEIRO.

    A mala preta é o incentivo financeiro dado por terceiros a uma equipe, para que esta modifique o resultado de uma partida. Na maioria das vezes, a equipe que recebe este dinheiro tem a missão de fazer corpo mole dentro de campo e entregar a partida para favorecer os interesses de quem “investiu”.

    Já a mala branca é um incentivo financeiro dado também por terceiros a uma equipe, para que esta vença uma partida e assim, beneficie diretamente o “investidor” e a equipe interessada.

    Lembro de um caso do ex-jogador Tuta que lá na Itália ficou conhecido por ter protagonizado um estranho episódio e não por seus gols.
    Em uma partida entre Venezia e Bari, Tuta marcou o gol da vitória de seu time no último minuto de jogo, entretanto, seus companheiros de equipe não comemoraram o gol. Logo depois ficou comprovado existir um acordo para que a partida terminasse empatada por interesse de apostadores.

    Não sei se seria melhor “abrir” as malas ou torná-las transparentes como você sugeriu, pois os times de pequeno/médio porte nem pensariam mais em futebol como esporte (se é que pensam!) e sim como negócio.

    E, como sempre, quem paga a conta é o torcedor, que acaba sabendo de todas essas negociações e tem apenas uma motivação para ir ao estádio: torcer pelo seu time! ST! =00=

    ResponderExcluir
  5. Legal, Marcela. Acho que deveriam fazer um portal da transparência pra gente acompanhar as transações e, de repente, uma tabela, pra gente saber quanto custa um juiz, um time, ou um jogador. Até porque, se você está no quadro da Fifa, sendo cotado pra apitar Copa do Mundo e tals, vc deve ser mais caro. Desespero conta? Tipo time lá na base da tabela, já rebaixado matematicamente, essas coisas? Eles são mais caros ou o poder de barganha deles cai? Se o cara é estrela do time, a mala dele é mais gorda? Varia preço por posição ou é pacotão pelo time todo? Goleiro é mais caro? Ou atacante que erra gol feito?

    Precisamos conversar a logística disso. Tem que ver isso aê.

    ResponderExcluir
  6. pois é, povo. A ideia é abrir logo tudo. Já que o futebol se tornou estritamente negócio, então aja como tal. De repente assim a gente não começa do zero....

    ResponderExcluir
  7. Cela, pode me chamar de Poliana, mas acho que esse negócio de mala branca ou preta torna os jogadores, times e afins, nada mais do que prostitutas. Desculpa. Sacanagem. As prostitutas têm mais ética.

    ResponderExcluir
  8. Esse papo todo só aumenta uma sensação muito triste que eu tenho: uma nostalgia do que não vivi, a era do futebol pelo futebol

    ResponderExcluir
  9. Essa questão vai mais fundo, acho que a partir do momento em que sentamos e dizemos "ah, não dá pra mudar", pq já é assim faz tempo, já temos terminologia diferenciada pra suborno pela vitória ou pela derrota do time comprado, aí oficializar é só uma tecnicalidade mesmo. O futebol hoje em dia é uma catástrofe. O amor só existe, com certeza, por parte do torcedor. Os jogadores, acho que alguns ainda são apaixonados, sim. Mas não muitos. Pra eles, obviamente, isso é trabalho, é negócio, então, sujeito a atitudes mercenárias. Todo mundo compreende, diz que faria igual se estivesse no lugar. Times são empresas e lugares onde alguns vão pra ganhar a vida fácil prejudicando os babacas que ficam nas arquibancadas, com suas camisas oficiais, achando que futebol é mágico. Tudo é uma grande putaria. E nós patrocinamos isso, como consumidores fiéis, heavy users, loucos, apaixonados. O mercado demanda, eles entregam. Não o que nós queremos, mas o que eles querem. Nós aceitamos o que vier. Afinal, futebol é futebol.

    ResponderExcluir
  10. Qual torcedor nunca se sentiu babaca por ser apaixonado? Duvido que exista algum!

    To achando que fui muito mal interpretada no meu post, deve ter sido culpa minha! hahahahahaha

    ResponderExcluir
  11. não, não acho. vc queria começar uma discussão. conseguiu. ;)

    ResponderExcluir
  12. É verdade, Nanda, vc me lembrou porque eu optei por essa abordagem mais "polêmica".... rs

    ResponderExcluir
  13. Marcela, boa a iniciativa, assuntos polêmicos que são feitos as escuras, mas que todos sabem devem ser sempre debatidos. Prá mim mala branca não é muito diferente de aborto, consumo de drogas ou propina. Aliás, não é nada diferente de propina. Eu, particularmente, sou contra. Também sou meio Poliana, acredito num futuro melhor, e neste futuro o futebol é futebol e não mais uma engrenagem financeira. Acho muito cruel com o torcedor apaixonado este tipo de transação, acaba virando o otário que vai lá sofrer/vibrar pelo seu time, acreditando que faz alguma diferença quando o resultado já tá todo combinado.
    Eu entendo o que você falou, já que é assim, pq não ser pelo menos aberto? E acho isso melhor do que as coisas feitas dessa forma escondida, mas, não acho que assim seja bom também. O ideal, o bom, o certo, para mim, seria se isso fosse investigado e repreendido.
    Pela existência do futebol-arte,
    Valê

    ResponderExcluir
  14. Uau, adorei o "circo pegando fogo"! Parabéns, Marcela, adoro quando a discussão fica forte!

    Confesso que, como você disse, não sei dizer se é certa ou errada a mala branca (a mala preta acho qe é, sem discussão!). Uma vez conversando isso com o Ale ele disse: "ué, é como uma empresa que estimula os empregados com promessas de bônus". Ok, mas acho que esse é o problema: futebol virou empresa. E cada vez vemos mais isso. Acho triste, muito triste...

    ResponderExcluir
  15. Li, discordo do Ale. Seria tipo a Microsoft mandar bonus pros funcionários da Apple vazarem informações secretas pra avacalhar planos de negócio da empresa. Quando um time paga outro pra afetar um resultado que o favorece ou prejudica, não é a mesma coisa que vc ganhar um extra do seu chefe por um bom trabalho, vai se ferrar.

    ResponderExcluir
  16. Nanda, também não concordo, não. O que me chamou a atenção foi essa lógica de empresa, de mercado.

    Mas realmente acontecem coisas no mundo das empresas nesse sentido, o Ale já me contou de casos de uma empresa A, que precisa de algum resultado da empresa B, ajudar nos bônus de final do ano da outra (não dou nome aos bois porque realmente não lembro!). Não é um caso grave como o que você citou, mas certamente a concorrente da A saiu prejudicada... e a B, legalmente, não fez nada errado.

    Ih, deu pra entender? Ficou confuso!

    ResponderExcluir
  17. eu entendi. continuo achando falta de ética e caráter. é absolutamente patético alguém achar que é normal e tranquilo dar um trocado pra influenciar o resultado dos jogos já que o que importa é o somatório final. ok que vc não pode contar só com o seu talento, seus jogadores, seu time, seu técnico, suas condições como clube etc., então vc precisa comprar a galera pra que seus concorrentes diretos também não possam contar só com o seu esforço. em bom português, isso é filhadaputagem.

    pior é quem deita a cabeça no travesseiro depois, sabendo que comprou um título, ou vendeu um jogo. mas aí isso é outra questão, é pessoal, é de criação. mau caráter é problema social. nem vem de berço, se adquire, se aprende e se cultiva.

    ResponderExcluir
  18. É, pelo que eu me lembro o Ale também estava como eu, achando contra, mas meio sem opinião. Mas chamou a minha atenção pra isso: uma prática comum no mundo empresarial. Mais uma que o futebol assume como sua...

    Acho que o jogador tem que jogar seu máximo sempre. Tá, sei que tem horas que fica sem estímulo, mas acho triste (tanto pro jogador como para o trabalhador "comum") que estímulo seja sinônimo de $...

    ResponderExcluir
  19. Gente, mas como eu disse, um campeonato onde os pontos se acumulam ao longo, isso vai acontecer inevitavelmente. Vai dizer que se o Vasco estivesse prestes a ser rebaixado, o cenário não seria totalmente diferente? O time tem que jogar tudo o que tem sempre, pela honra do clube e porque os torcedores (de verdade) merecem isso. Mas não vamos nos iludir achando que é isso que acontece sempre...

    ResponderExcluir
  20. Deve ser esse o problema do Flamengo, então. Todo mundo está tão empolgado com a ideia do clube cair que é mais capaz de oferecer dinheiro pros adversários dele do que pro Rubro-Negro. tsc...

    ResponderExcluir
  21. Quero que o Vasco jogue com tudo! Nada de abaixar a cabeça e entregar, meu orgulho quer mais que isso!

    ResponderExcluir
  22. Seu orgulho tem peso zero nessa balança comercial. Sorry.

    ResponderExcluir
  23. :( Deixa eu ser Poliana também, vai!

    ResponderExcluir
  24. ok, ok. mas Fernando Prass já disse que acha a prática tranquilona, desde que o time esteja recebendo pra ganhar. acho fofo isso. o time ganha um plus de terceiros pra se dedicar, quando o clube já paga seu salário e a torcida já dá amor de graça pra que ele faça isso. afinal, é seu trabalho, né? perdi um pouco de admiração pelo goleirão cruzmaltino com isso... =/

    ResponderExcluir
  25. Nanda, concordo com tudo que você disse, menos com a parte de que o Flamengo é um time prejudicado com este prática, numa boa. Não torço pela queda do rubro-negro, na verdade não torço pela queda de nenhum dos grandes cariocas, de verdade, mas sei que tem muito espírito de porco. Agora, vai me desculpar, essas malas brancas, pretas, azuis e roxas, com certeza se fossem averiguar qual time mais usou delas ia ser o seu mengão. Não, não tenho estatísticas, não, não tenho a informação, mas eu poderia apostar isso com certeza de que ganharia.
    De resto, concordo em número gênero e grau com a sua forma de ver isso. Filhadaputagem da pior qualidade. Falta ética, moral, educação neste povo. Não só do futebol não... Tá faltando isso no mundo.

    ResponderExcluir
  26. Valê, não era chororô. Era sarcasmo. hahahaha... É que a discussão só leva ao Vasco, então resolvi fazer um drama-comédia aqui. ;)

    Não tenho dados sobre malas qualquer-cor-que-se-dane, então nem vou discutir sobre o Flamengo. Aposto que deve ter time mais beneficiado por aí, mas, de novo, não vou apontar dedos.

    Minha postura se mantém. Mesmo que favoreça meu time, sou contra.

    ResponderExcluir
  27. Chororô é claro que não! Isso é coisa nossa! hehehehe

    Sim, sim, sim, está certíssima. Se não seria fácil, né? Sou contra quando ajuda os outros, mas, se me ajudar... Bom, aí já muda de figura... Hipocrisia, né?!

    Façamos nossa parte para um futebol e um mundo mais ético. E tenho dito.

    ResponderExcluir
  28. aê!!! Valê, se vc se candidatar, eu voto em vc. mesmo vc sendo botafoguense. hahaha... ;)

    ResponderExcluir