sábado, 23 de outubro de 2010

A tal da Sul-Americana

Lembra quando a Copa (Nissan) Sul-Americana era só um prêmio de consolação pros times que conseguiram não ser rebaixados (mas também ofereceram agressividade insuficiente no Brasileiro)? Bons tempos, né?

Agora o torneio conseguiu ascender ao status de sementinha da discórdia, ao tornar a quarta vaga à Libertadores (via Brasileirão) uma condicional. Com isso, a quarta vaga a que estávamos acostumados é que se torna o tal prêmio de consolação, apreciem a ironia!

O curioso é que, exatamente pelo caráter classificatório (pra nós), os clubes que participam são os que apresentaram desempenho bem fraco em nosso nacional. É claro que isso acontece com os grandes, como Inter (único brasileiro a ganhar) e Fluminense, mas outros mais modestos têm chances iguais (até mais prováveis, né?) de entrar, como o Avaí.

A Libertadores, ao contrário, abria as portas para os melhores da tabela de um campeonato bem suado (38 rodadas, jogos 2 vezes por semana, praticamente gladiadores jogados aos leões no Coliseu). Pensa bem. A possibilidade de acesso via Sul-Americana é praticamente cota no futebol. Pra dar chance a todo mundo, equilibrar as coisas.

Eu confesso que, muitas vezes, essa quantidade absurda de campeonatos que acontecem ao mesmo tempo atrapalha bastante a consistência dos times. Por exemplo, Fluminense quase levou a Libertadores, mas, pra conseguir isso, deixou o Brasileiro de lado. Quando foi derrotado, saiu do topo de uma competição pra lanterna de outro. Agora, é o Inter, que está com desempenho abaixo do esperado e sempre se alega que o foco é o Mundial. Sempre tem um outro torneio pra justificar os resultados ruins nesse ou naquele.

Mesmo esquema de jogar no meio e no final da semana. Perdeu num dia? Culpa o cansaço do outro! Diz que não teve tempo de repousar, treinar, que o adversário A era mais durão, ou que o B era um clássico, e clássico não dá pra prever.

Voltemos à Sul-Americana. Desde seu surgimento, em 2002, só um time brasileiro conseguiu ganhar a bendita. O Inter, que também o fez em alto estilo, absolutamente invicto (5 vitórias e 5 empates). Nossos irmãos que falam espanhol sempre se saem melhor nessa.

Até 2007, campeões da Sul-Americana e da Libertadores disputavam, no ano seguinte, a Recopa Sul-Americana. Calma, contenham a empolgação. A partir de 2007, o campeão da Sul-Americana e o da Copa da Liga Japonesa (isso mesmo, pessoal!) passaram a disputar, no ano seguinte, a Copa Suruga Bank.

Cara, se isso não é a maior prova do que o dinheiro e os patrocinadores estão fazendo com o futebol, eu não  tenho mais argumentos. Sobreposições de campeonatos, jogos infinitos, uma zona geral e nomes ridículos de torneios! Socorro!

Aí, pra apimentar a história, a CONMEBOL resolveu meter a Libertadores no meio. Então é isso. De tanto medo dos clubes brasileiros, comeram a quarta vaga. Não sei que raios de pressão a CBF fez e eles falaram "ok, a gente devolve a vaga, mas só se vocês não levarem a Sul-Americana!".

Rá!

Quer saber? Vou torcer pro Avaí.

Um comentário: