quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Segunda divisão é coisa séria!

Quem lembra do ano passado, quando o Coxa caiu e sua torcida depredou o próprio estádio sabe do que eu estou falando. Aliás, como nós sempre lembramos por aqui, futebol, de uma forma geral, é coisa séria!

Só que tem gente que perde um pouco a linha. Foi o caso do Sport Áncash, time da segunda divisão do Peru, que, aparentemente, dopou os adversários do Ascovinchos em jogo ocorrido dia 17 agora.

Nós, brasileiros, já conhecemos o velho truque da água batizada (né, Branco?), mas essa ficou longe de ser uma aplicação discreta da técnica. Os médicos do Áncash teriam oferecido água aos rivais no meio do jogo e eles logo começaram a passar mal, sentir náusea e 4 chegaram a desmaiar em plena partida.

Apesar da identificação de barbitúricos pelo exame de dopping realizado após a denúncia do presidente do Ascovinchos, Mallquis, presidente do clube acusado, sugeriu que a culpa do mal estar generalizado tivesse sido um frango assado que o time teria comido antes do jogo.

Além da cara de pau demonstrada, fico chocada com a irresponsabilidade dos caras quando decidiram fazer isso. Todo mundo sabe que automedicação é algo muito arriscado, dar uma substância desse porte sem ter a ficha médica de cada "vítima" é, a meu ver, atitude (quase?) criminosa.

Pra quem não sabe, os barbitúricos são usados pra tratar doenças psiquiátricas, ansiedade e agitação, agindo no sistema nervoso central. O acesso a drogas contendo esse componente se tornou mais complicado depois que várias pessoas morreram de parada cardíaca, insuficiência renal e complicações pulmonares (sem falar dos suicídios!) pelo uso indiscriminado.

Será que a primeira divisão vale tanto assim?

Até o momento, o Áncash está 2 pontos à frente do Ascovinchos, com 38 pontos, na segunda colocação na tabela.

6 comentários:

  1. Esse post tem mais a ver comigo! hahahahahahahahahaha

    Complementando: os barbitúricos caíram em desuso com o advento dos benzodiazepínicos, que geram os mesmos efeitos desejados, mas têm menos efeitos adversos.

    Tipo assim, meio que não dá pra se matar com benzodiazepínico, mas com barbitúrico é mole, mole: basta uma grande dose acompanhada de um belo porre!

    ResponderExcluir
  2. Ah, esqueci de falar o resto: poxa, os caras podiam pelo menos ter um pouquinho de ética na falta de ética. Poderiam ter batizado a água dos caras com benzodiazepínico né?! hahahahahahahaha

    ResponderExcluir
  3. Hahahaha, Marcela! Sua louca! Acho que a última coisa que se pensa antes de tomar uma atitude desesperada dessas é escolher o remédio com menos efeitos colaterais. Eles deveriam dar graças a Deus de não terem tomado veneno de rato, ou coisa parecida, né? =/

    Tá bom o dia hoje. A Li escreveu sobre o que eu queria escrever, agora eu escrevi um texto que poderia facilmente ter sido escrito pela nossa neurocientista. O legal é que o resultado, em cada caso, foi completamente diferente do que poderia ter sido!

    ResponderExcluir
  4. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA ADORO!

    E os caras, além de antiéticos, foram burros! Tem formas banais de se mascarar o anti-dopping, eles poderiam ter pensado nisso, adicionado alguma coisa (que é melhor não divulgar mais ainda....), para aniquilar as evidências, néam?!

    ResponderExcluir
  5. diuréticos!!!!!!! o goleiro do Bahia tomou um! hahahahaha... ai, gente. imagina os coitados desmaiados e fazendo xixi nas calças???? =s

    não ia prestar!

    ResponderExcluir
  6. Sejamos todos bem-vindos à banda podre do futebol mundial!

    Este é só mais um caso, mt bem retratado por vcs. E os que ficam por aí, sem serem denunciados e publicados?

    Saudações!!!

    ResponderExcluir