sexta-feira, 1 de outubro de 2010

O sacrifício de um herói

Zico saiu do Flamengo. Antes de sair a notícia em qualquer portal grande, o Galinho publicou sua decisão em seu site oficial, no que chamou de Carta aberta ao Flamengo.

Só consigo dizer que meu coração está partido e eu estou envergonhada com tudo que levou Zico a deixar o Flamengo.

Tomar uma decisão como essas não é fácil. Mas espero que todos entendam que não posso carregar comigo a desconfiança de um dos setores mais importantes do clube, o Conselho Fiscal. E não há condições de debater com essas pessoas que estão a serviço de sabe-se lá quem ou o que, dispostas a jogar sujo e minar o próprio clube.

Convenhamos, é o que todos pensamos, falamos, mas não escrevemos, por causa da maldita responsabilidade jurídica.

Dediquei quase toda a minha carreira como jogador profissional ao Flamengo, centenário, histórico, de muitos ídolos e que me ajudou a ser quem eu sou hoje. Esse clube, onde me formei e me tornei um ídolo, precisa voltar a ser grande. O caminho da grandeza foi perdido não agora. Lamentavelmente é fruto de anos e anos de um sistema histórico incompatível com as coisas que eu acredito.

Para mim, esta quinta-feira foi um dia especial porque nasceu meu neto Antonio, mas ao mesmo tempo morreu no meu coração esse Flamengo de hoje que está representado por essas pessoas, algumas delas que sequer conheço e atuam dentro do clube como se fossem os donos. 
Quando o grande ídolo do seu clube, aquele que mobiliza uma torcida desapontada a dizer que, por ele, a Nação acredita, mesmo que nem o time pareça acreditar em coisa alguma, diz que o Flamengo morreu em seu coração, você sabe que tudo está errado.

Atentem para o fato de que o Flamengo que morreu pra ele é esse Flamengo mal representado, por pessoas que ouviram em algum lugar que um time de futebol deveria ser uma empresa, mas aplicaram o aspecto errado do conceito na prática. Pensaram no lucro e dane-se a administração.

Uma boa crise, uma boa farofa tira a atenção do problema real. Acusar Zico e propor o impeachment de Patricia faz parecer que essas pessoas estão realmente pensando no bem do clube. Como se estivesem querendo cortar o mal pela raiz.

Alguém acreditou? Porque eu continuei acreditando que surtiria mais efeito atacar o problema. Jogadores displicentes e um técnico sem pegada. Montar um bom time, ter um esquema tático que prestasse.

Latiram pra árvore errada.

E apesar de terem tentado jogar seu nome na lama, Zico saiu dessa com classe. Mesmo tendo ficado nesse barco afundando, sendo comandado pelas pessoas erradas, não posso deixar de respeitar sua decisão.

Zico voltou ao Flamengo como ídolo, mas sai como herói.

Como todos sabem, no fim, o herói precisa ser sacrificado. A história não pode terminar de outro jeito.

Ao eterno camisa 10 Rubro-Negro, meu respeito, minha admiração e meu lamento pela sua partida.

O que será de nós agora?

4 comentários:

  1. Te falar que até eu fiquei comovida com a carta dele, já que esse ocorrido é perfeitamente possível de ser extrapolado para diversas situações com as quais somos obrigados a conviver (mas não aceitar) diariamente.

    Lamento.

    ResponderExcluir
  2. Eu to sentindo uma parada que achei que nunca fosse sentir.... vergonha do Flamengo...

    sério, isso tá acima de qualquer vexame que já passamos...

    pra mim chega... que acabe o ano de vez, e não me interessa o resultado final.

    ResponderExcluir
  3. Nanda, como você sabe, fiquei chocada com a notícia ontem. e mesmo não sendo meu time, mais, mesmo sendo meu arquirival, fiquei triste. Esse não é futebol que eu quero. Pra ninguém e de forma alguma.

    Pelo menos o ídolo se mantém.

    ResponderExcluir
  4. Espero que possamos aproveitar o altíssimo preço que estamos pagando, para desvendar o enrêdo nefasto imputado por esta corja instalada no Mengão.
    Zico fala na 'Carta Aberta' em ir às últimas consequências, inclusive jurídicas.
    É a hora de espremer o carnegão !

    ResponderExcluir