segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Jornalismo esportivo

Quando você se predispõe a escrever sobre futebol, uma das coisas mais importantes, e também uma das mais difíceis, é manter a imparcialidade, ser diplomático. Quer dizer, quando você resolve fazer isso profissionalmente, ser um jornalista esportivo. Ser blogueiro de futebol te dá uma flexibilidade maior, especialmente quando você assume logo de cara que torce pro time tal.

Outro dia escrevi aqui sobre um texto esquisito que tinha lido no Globoesporte.com, e hoje li outro que me pareceu igualmente tendencioso. Qual não foi minha surpresa ao perceber que o autor era o mesmo, Eduardo Peixoto.

Pra não ficar paranóica, fiz uma breve pesquisa, só pra sentir o clima de outras matérias suas, e achei também alguns comentários bem agressivos sobre o rapaz.

Torcedores menos educados que eu levantaram a hipótese (ok, eles afirmaram, mas eu não vou propagar a certeza de terceiros, só acredito diante de dados concretos) de que ele seria paulista, já que também sentiram em seu material um gostinho meio antiflamenguista (eu sinto que ele fica querendo futucar ferida e levantar polêmica onde não tem, mas isso é opinião pessoal).

A outra possibilidade seria o rapaz ser super flamenguista e, por causa disso, compensar (o tema do momento, compensação!) pela sua preferência com textos que não necessariamente demonstrem sua preferência. Mas duvido. Acho que é muito ódio guardado naquele coraçãozinho.

Mas já que outros tantos conseguem parecer (nem sempre, mas alguns disfarçam razoavelmente) imparciais, qual é a dica pra não despertar a aversão da torcida quando você for falar de um time? Como não imprimir sua própria escolha de clube no que você escreve sobre um adversário?

Quem souber, dá a dica pro Eduardo? E quem conhecer ele, me diz se realmente o rapaz é paulista? E se ele tem time? Porque já estou pensando seriamente em começar a acompanhar as notícias do meu time em outro portal, antes que eu me irrite além da conta.

4 comentários:

  1. Eu sinto isso com o jornalismo esportivo da Band. Aguento não.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, todos sabemos que ser 100% imparcial é impossível, mas isso não significa 0% ou não ser profissional. Vejo isso com muitos comentaristas e realmente é irritante. Acho que criticar é legal, faz parte, mas crítica pela crítica ou sem fundamento, é papelão!

    ResponderExcluir
  3. Nesse caso, é algo mais curioso do que a crítica, são sutilezas no texto que deixam claro que a intenção dele não é das melhores. Por exemplo, escrever sobre a demissão de um técnico que se comenta nos bastidores ser agressivo e grosseiro, que praticamente expulsou um jogador do time, dizendo que ele nunca se indispôs com ninguém. Quer dizer... O cara gosta de fazer picuinha, mas (quase) sempre com um português correto. Não chega a se configurar como crítica, só como algo meio fora do lugar, já que ele cobre o Flamengo. Mas sim, críticas o tempo inteiro são um porre, você já não espera nada a favor do seu time, mesmo quando houver, daquele comentarista. Detesto.

    ResponderExcluir
  4. Particularmente como vascaino, que sofre desde que o Vasco é Vasco com a imprensa, ja me acostumei e parei de me preocupar com isso. Se fosse esquentar a cabeça com comentaristas covardes contra o Vasco, não faria outra coisa na vida.
    Depois de tanto tempo, conclui que não tem jeito mesmo das pessoas serem imparciais, ou nao querem ser.

    Eu simplesmente relevo.

    ResponderExcluir