segunda-feira, 21 de junho de 2010

O problema do Dunga

Hoje vi Marcelo Barreto defendendo o Escobar em seu blog É muito pênalti. Tem razão ele, em meio a tantos que resolveram defender as atitudes do técnico Dunga contra a maléfica Globo, que aparentemente continua em sua missão para dominar o mundo, com seu cúmplice, o Pinky. É claro, representada por Alex Escobar na África do Sul.

Opa, quer dizer...

Não, não é nada disso e essa história toda até seria irrelevante se não fosse absolutamente trágica. Trágica porque demonstra que, pior do que a hipocrisia de só achar bonito o gol de mão feito pelo nosso jogador, nós apoiamos a grosseria e a falta de educação.

Enquanto Dunga não levou Ganso e Neymar, a nação caiu sobre ele como a fúria de Deus. Foi só proferir meia dúzia de palavrões desnecessários contra o repórter da Globo para que o asno à frente da seleção ganhasse tantos fãs no Brasil que o CALA BOCA GALVÃO deu lugar ao CALA BOCA TADEU SCHMIDT.

Por que eu disse que é trágico? Porque me pareceu que somos um povinho amargo que se sente tão oprimido e miserável, que sente a alma lavada quando o vira-lata se rebela contra o mais forte. Nesse caso, um jogador medíocre, um técnico fraco, que vem colecionando vitórias por saldo de gols, mas não por desempenho de seu time em campo. Maradona disse bem. O Brasil não está jogando bonito, mas decide quando precisa. Que porcaria, hein? Mas não podia ser diferente com um time comandado por uma cavalgadura dessas.

Virou uma guerra essa coisa toda. De um lado, a imprensa, de outro, o Dunga. E o Brasil vai só colecionando vergonhas, apoiando tudo o que há de mais feio em uma Copa que não faz jus ao título de campeonato mundial.

Mas se ganhar, tá bom. É isso?

2 comentários:

  1. Nunca vi uma copa tão apagada na minha vida. Os jogadores estão mais desinteressados do que nunca, e o contraste com a pobreza do país são de chocar. Nada empolga, e ainda se vê essa pobreza intelectual - êpa! Errei de esporte... quero dizer, antes a gente via as escorregadas, a flagrante falta de cultura formal, mas a grossura costumava ficar no campo. Agora a coisa extrapola. É indigno, especialmente do representante maior, do sujeito que comanda o time. Bate-boca é coisa de "comadre", e em termos chulos, impublicáveis, certamente ñ honra a camisa verde-e-amarela. Vergonha mesmo. Nome (apelido) de anão, a categoria (dos anões) deve ter vergonha do dito cujo.

    ResponderExcluir
  2. Fê, eu acho que na Copa o importante é ganhar. Eu acho que na vida é muito legal ver um "Davi e Golias". O problema é que o Dunga é tão bronco que não sabe representar seu papel.
    Falem o que quiserem do Maradona, ele sim é o personagem mais divertido da Copa.

    ResponderExcluir