segunda-feira, 17 de agosto de 2009

A importância de ser diplomático

O jogo foi besta. Mais besta ainda pela quantidade de gols perdidas e porque, mesmo sem a acabativa de que falei no outro post, o Flamengo jogou melhor. Bem melhor.

O único jogador que mandou indiscutivelmente bem no Grêmio foi o goleiro.

Mas no futebol a merda é essa. Quem não faz gol, leva. É claro que o placar poderia ser diferente, nós poderíamos ter, facilmente, goleado o tricolor gaúcho. Deveríamos, aliás. Era só conseguir converter os gols feitos que nós deixamos parar nas mãos do goleiro adversário, mas vou deixar pra lá e aceitar que o meu time foi burro e foi punido por isso.

O que realmente me incomodou foi a parcialidade do juiz. A melhor forma de classificá-lo envolveria escrever muitos palavrões, o que eu prefiro não fazer. Digo apenas que eu entendo por que essa é uma das profissões mais xingadas e tenho pena das mães dessas pobres almas que erram sem querer. Quanto aos que são deliberadamente escrotos, sinto muito pelas mães deles, mas podem ter certeza de que suas orelhas estarão constantemente quentes, em parte, por minha causa.

Diante do descontrole de Willians, que resolveu se desentender com o bandeirinha, o juiz simplesmente desistiu de apitar o que realmente aconteceu na partida para prejudicar o Flamengo. O jogo acabou ali, quando o bandeirinha deu um lateral que era para ter sido do Flamengo para o Grêmio. No calor do momento, pilhado para tentar reverter a situação do placar, nosso querido carrapato perdeu a cabeça e resolveu retrucar. Triste engano. O juiz tomou as dores do colega fluorescente e foi aí que tudo degringolou.

Tudo bem que ele já estava aplicando um método bastante conhecido como dois pesos e duas medidas para as faltas ocorridas, mas dali em diante foi avacalhação pura.

E são coisas como essas que me emputecem seriamente quando eu vejo que um jogador foi julgado porque chamou o juiz de feladaputa, ou porque botou o dedo na cara do adversário (ou outra coisa que não seja tipo dar cabeçada no nariz, voadora no peito, ou cotovelada na nuca, porque isso é violência gratuita mesmo), enquanto os desembargadores afirmam que não têm como enquadrar os caras que compuseram a máfia do apito e detonaram o resultado do Brasileirão de 2005.

Que palhaçada é essa de que o juiz faz o que bem entende e pode se livrar porque não dá pra provar que houve intenção de prejudicar, ou que não dá pra dizer que foi estelionato apitar mal os jogos (já que eles haviam recebido dinheiro para apitar e isso eles fizeram), ou qualquer blablabla em que se alegue que interpretação de lance é subjetiva, mas jogador sempre vai na maldade?

Estou revoltada, e olha que eu ODEIO esse argumentinho safado de que o jogo foi roubado. O Flamengo mereceu perder? Mereceu. Mas não mereceu essa goleada e o Emerson não estava impedido. Ele ia fazer aquela merda daquele gol, o bandeirinha sabia disso, sabia que ele estava em posição legal, mas subiu a bandeira de canalhice e corporativismo.

Alguém deveria suspender esses imbecis por alguns jogos, pra eles ficarem sem o dinheiro extra e aprenderem a ter mais ética e profissionalismo. E se tomarem umas bandas na rua, vai ser bem feito. =P

Nenhum comentário:

Postar um comentário