quarta-feira, 27 de maio de 2009

A grama mais verde

É fato mais do que sabido que nada me faria mais feliz do que o Flamento se livrar do Obina, então é óbvio que eu deveria estar dando cambalhotas pela casa ao saber que o Palmeiras resolveu, filantropicamente, recebê-lo em seu território. Por que, então, eu estou tão irritada?

Simples: Obina e Palmeiras estão fazendo parecer que o Flamengo foi o único responsável pelo fracasso consistente, e persistente, do atacante baiano.

Tudo bem, Obina disse ser grato ao Flamengo por tudo, blablabla. Mas aí vêm as pequenas declarações. A mudança de ares fará bem a ele; quando jogador perde a confiança no time, ele para de funcionar; a pressão da torcida é muita; a pressão do Cuca foi grande...

A minha favorita, sinceramente, foi a que mencionava o peso de Obina, que pode perder, pelo menos, 4 quilinhos para ficar com uma porcentagem de gordura mais aceitável. Claro, nada que a mais do que qualificada equipe alviverde não possa resolver, com sua supernutricionista e seu mega projeto de treinamento. Em 10 dias, ele estaria nos trinques.

Ok... Então o Flamengo falhou nisso também? Não acertou na dieta do Obina? Não botou o gorducho pra suar a camisa o suficiente? Engraçado que parece ter ajudado bem o Ronaldo, mas pro super-Obina, o Mengão virou praticamente uma kriptonita. Tudo bem, tá valendo...

Quem está arrasado com a saída do atleta é Cuca, que disse ter parcela de culpa sobre o não sucesso do ex-xodó. Pois eu o culpo na íntegra! Mas por ter insistido em botar Obina pra jogar, apesar de sua total incapacidade de mostrar resultado.

Numa boa... Vamos recapitular. Obina estava indo razoavelmente bem. Ficava no banco, entrava no segundo tempo, ficava lá paradão, a bola batia nele e desviava pro gol. Nada intencional, mas quem está preocupado com isso? Rede é gol e gol é ponto. Aí, um belo dia, o perturbado declara que um pai de santo da vida disse pra ele que ele estava amarrado, e que a responsável pela urucubaca era sua ex-mulher. O técnico do time é um louco que sempre troca de camisa no intervalo e mantém 3 copinhos d'água na lateral do campo, se isso não for superstição, eu não sei o que é. Claro que o negócio não ia prestar. Aí tem a neurose da camisa. Obina não queria mais ser 9, tinha de voltar a ser 18, porque 18 era o número da sorte. Não que 9 desse azar, mas 18 era a camisa que tinha feito ele funcionar.

É claro que ele tinha outras preocupações em mente, não tinha como o maluco fazer gol com uma bagunça mental dessas!

Agora dão a camisa 24 pra ele no Palmeiras, será que a numerologia está a favor dele? Será que o pai de santo amigo lá já de o veredito? Porque se o cara falar que a mandinga foi bloqueada, pé de pato mangalô 3 vezes, aposto que o infeliz começa a fazer gol de novo. Palhaço.

Copa dos Campeões

Provando que a paixão nos faz dizer coisas absurdas, Eto'o debochou da rima flamenguista ao abrir o placar do jogo entre Barcelona e Manchester United.

A diferença principal é simples: ele resolve. O conceito básico que Obina parece ter esquecido, e que até o Rappa entendia, é que não precisa ser de placa, desde que role o gol.

Messi terminou de pregar o caixão do time inglês na partida que deu a primeira Copa dos Campeões a um time espanhol.

Ainda no assunto...

O confronto foi de gigantes, a começar pelos comandantes. De um lado, Sir Alex Ferguson, que está à frente do Manchester desde 1986 e já acumula 44 títulos. Eu nunca vi um técnico durar tanto tempo em um mesmo time, tenho de tirar o chapéu para o escocês. Mesmo sendo linha dura, o que custa a saída de alguns atletas do clube, ele apresenta resultados. E, no fim das contas, o que vale é isso.

No outro canto do ringue, estava Pep Guardiola. Com apenas 38 anos, o ex-jogador conseguiu a façanha de ser campeão logo na estréia como treinador e levar pra casa o título inédito para um clube da Espanha.

Enquanto isso, eu tenho de aguentar o Cuca, que supostamente faria parte de uma geração promissora de novos técnicos. Só que ele já está no mercado há 11 anos e só tem um título para contar história. Estou lançando a campanha "Felipão no Mengão". A torcida pode sonhar com o Ronaldinho Gaúcho, eu vou apostar que já temos em casa os jogadores para fazer uma bela campanha. Só falta alguém com pulso firme para reger a rapazeada. Que seja um carrasco, como Sir Alex. Ou um garotão, como Guardiola. Basta que ele saiba o que está fazendo.

Sobre o Vasco

Eu juro que torci a favor. Agora é derrubar o adversário em casa e eu acredito que o time carioca consiga.

SRN a todos!

P.S.: Fica Ibsooooooon!!!!

2 comentários:

  1. Eu vi depois na ESPN!! Depois teço meus comentários.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Não é qualquer um que veste a camisa do Flamengo. Da mesma forma que a torcida consagra, ela pisa quando o cara tá no chão (não que o cara não mereça). Qualquer jogador que já tenha vestido o manto fala isso. A recuperação do baiano era mesmo impossível sem mudar de time e, sem querer apagar sua história no Flamengo, fico aliviado com sua saída. Agora o Palmeiras poderia fazer outra caridade e trocar o Luxa com o Cuca, que tal?

    ResponderExcluir